Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

H URB Imobiliária - Blogue

Todas as informações sobre o mercado imobiliário e sobre a H URB num só local.

Qui | 19.04.18

O número de apoio começa por 707? 707.pt é a resposta

john-paul-joseph-henry-245902-unsplash.jpg

 

Se há coisa que qualquer cliente ou utente de uma determinada empresa ou serviço detesta é pagar por assistência ou apoio telefónico. 

Desta insatisfação, nasce o "707.pt - Diga adeus às linhas de valor acrescentado", um diretório onde é possível consultar, por entidade ou número 707, um (ou vários!) número alternativo para o qual se pode contactar um determinado fornecedor de produtos ou serviços sem custos associados ou com custos mais reduzidos. 

Segundo o site, "não raramente temos necessidade de falar com o apoio ao cliente de empresas, das quais somos clientes, às vezes por questões da responsabilidade da entidade em causa, e somos obrigados indiretamente a financiar os custos com a operação do call-center, através do que nos é cobrado pela chamada telefónica". O site é taxativo: "Você já financia os custos operacionais do seu fornecedor. Não tem de pagar pelo apoio ao cliente!". 

O diretório está em constante atualização, sendo possível adicionar entidades e os números alternativos. O site garante que os testa "na altura da inserção". 

Desenvolvido pela Webdados, o diretório fica em http://707.pt

Os números 707 são números especiais e que têm custos definidos pela Autoridade Nacional das Comunicações (ANACOM) e que podem chegar aos 0,25€ + IVA por minuto, se a chamada for originada de um telemóvel. Já há movimentações para acabar com a utilização deste tipo de números em organismos públicos mas a mudança está a ser feita de forma extremamente lenta. 

fonte: Largo do Beco

Qui | 19.04.18

Arrendamento: falta de oferta leva inquilinos a oferecem 12 meses de renda em Lisboa

david-hellmann-256150-unsplash.jpg

 

Muita procura, pouca oferta. Este é o cenário do arrendamento um pouco por todo o país. 

Mas a situação em Lisboa é bastante dramática: segundo o portal imobiliário Idealista, já há inquilinos a oferecerem 12 meses de renda para garantir os imóveis. António Frias marques, presidente da Associação Nacional de Proprietários (ANP), descreeve o mercado de arrendamento como estando "seco". 

Como é óbvio, são sobretudo cidadãos estrangeiros a fazer este tipo de propostas, principalmente de nacionalidade brasileira, diz o portal citando o jornal i. "São pessoas que não têm IRS para apresentar o que, para muitos senhorios, serve de grantia para poderem avaliar a capacidade do potencial inquilino", diz uma agente imobiliária ao diário. "Como têm dinheiro em carteira, optam por pagar a pronto durante um ano porque assim conseguem garantir o imóvel", acrescenta. 

Frias Marques, por sua vez, diz que "estamos perante um crime de especulação". Segundo o dirigente, "os senhorios só podem receber até cinco rendas adiantadas: três correspondentes a rendas e mais duas referentes a caução". 

O problema não parece ter fim à vista: a falta de oferta poderá levar a uma "grande retração" do mercado de arrendamento, provocando um aumento de preços.